domingo, novembro 11, 2007

Capítulo 8

(Nota do autor: O fim de semana foi bom, postei continuação do Capítulo 7 e esse novo espisódio. Não deixe de ler o que ficou para trás.)



O Machado não estava morto e nem fora do Rio de janeiro. Consegui anotar a placa do carro.

Fiquei nervoso. Corri para o prédio onde estava marcado o ensaio. Será que Machado me reconhecera? Será que ele sabe quem sou? Peguei imediatamente o telefone e liguei para 190. Caí no atendimento eletrônico. Uma voz dizia que havia ligado para o Polícia Militar e que aguardasse o atendimento. Ora veja só uma coisa dessas. Imagina alguém em perigo tendo que aguardar o atendimento da telefonista da Polícia Militar, que vergonha. A voz continuava agradecendo a ligação e me informando que em breve seria atendido. Fiquei uns quatro minutos esperando até que uma pessoa resolveu dar o ar da graça. Policia Militar boa noite, quem está falando? Flávio Salinas. Boa noite Sr. Flávio em que posso ajudá-lo. Acabei de identificar um homem procurado, quero passar a placa do carro. Sinto muito Sr. Flávio mas o senhor deve ligara para a delegacia, aqui não é o setor de investigação, pode anotar o número por favor. Mas como assim? Em que bairro o senhor se encontra. Estou em ^%^%$#$$^ . Pois anote o telefone da delegacia da região por gentileza.
Falou a porra do telefone que não tive onde anotar e acabei esquecendo. Um ônibus acabou passando e vi por sorte um número do disque denuncia. Liguei, garantiram meu sigilo. Informei a placa do carro, o caso e o motivo da ligação. Recebi as orientações e segui para meu destino, pois já estava atrasado. Quando lá cheguei fui recebido por Malu, que por sinal estava deliciosa num vestido solto, branco. Parecia estar sem sutiã. Contei para ela sobre o que acontecera quando fiz a ligação para a PM. Ela riu da minha cara, disse que outro dia estava num bar na esquina da rua quando alguns idiotas começaram a brigar. Um deles estava sozinho e sendo espancado covardemente por outros três caras. Fiquei nervosa com aquilo, pois o bêbado caiu e bateu com a cabeça no chão e ainda sim continuou sendo chutado. Liguei para a Polícia e aconteceu à mesma coisa, mas tive um pouco menos de sorte. Fiquei um bom tempo esperando e quando fui atendida o cara já estava desmaiado e os agressores já estavam longe. Mesmo assim dei a queixa. Anotaram o endereço de onde estava e deixei meu contato com eles, pois caso o contrário se recusavam a deslocar uma viatura, poderia ser trote. Pessoas pararam para ajudar o homem desacordado no chão e sabe quanto tempo a viatura demorou para chegar ? Mais de trinta minutos. O homem poderia ter morrido. Os agressores fugiram e sabe qual foi a resposta do policial quando perguntei o motivo da demora ? “Estamos com pouco contingente para atender tantos chamados, agora pouco teve um conflito na favela e foram deslocadas várias patrulhas para lá”. Sim, imagino a quantidade de chamados nessa cidade. Imagino também que não temos policiais suficientes para tantos problemas. Seu parceiro estava prestando socorro e em seguida chamou uma ambulância, essa pelo menos veio um pouco mais rápida. Colocaram o cidadão todo fodido dentro e partiram sabe Deus lá para onde. Então perguntei, policial, por favor, desculpe a intromissão, mas quanto ganha um soldado da PM para trabalhar nesse inferno? Em início de carreira, 800 reais senhora. Só issooooooooo???? Sim, já estou a 8 anos na profissão e meu salário não passa de 1.500 reais fora os descontos. Que absurdo pensei. Não é por acaso que tem tanto policial corrupto, afinal de contas, com um salário desses e o poder nas mãos me parece até justificável tais atitudes. Interrompi Malu nesse momento. Como assim? Justificar a corrupção por ter um salário baixo? Tem um monte de gente como a minha mãe que ganha pouco, no entanto é honesta ora bolas. Mas sua mãe não tem uma arma e fé pública para tirar dinheiro dos outros meu caro amigo. Outro dia vinha eu com meu carrinho pela rua e fui parada numa Blitz, minha carteira de motorista estava vencida e o guarda vendo que poderia ganhar em cima de mim me perguntou na cara dura se tinha um café. Estava atrasadíssima para um evento e peguei 50 reais entreguei na mão do homem. Achei mais barato do que esperar todo o procedimento que provavelmente me custaria mais tempo e mais dinheiro. Acaba que é assim mesmo com todo mundo. Uma mão lava a outra e como estamos quase todos de mãos sujas não é mesmo? Bom, mudei de assunto. Perguntei onde estavam os outros atores. Já estão chegando, disse ela. Quer fumar um baseado? Quero. Pegou um pote na cozinha, arranjou uma seda e apertou um para fumarmos. O cheiro é bom. É esse aqui é do bom, peguei 50g esse mês. Tudo isso? Sabe como é. Sempre tem gente aqui em casa.
Ligou a televisão e estava passando o jornal nacional. Malu disse, já reparou que quem oferece o jornal nacional é um banco? E o que é que tem isso, perguntei. Tente raciocinar menino. A um banco não interessa determinadas notícias, determinadas decisões políticas e econômicas? O Jornal não é o responsável para passar a informação para milhares de brasileiros que consideram o que estão assistindo ali a verdade absoluta? Sim e daí? Bom, basta pensar um pouco para concluir que quando é um banco que oferece o jornal que vai passar as notícias alguma coisa este banco deve ter de interesse nestas notícias não?
O jornal começou anunciando mais um escândalo de corrupção na capital. Malu bradou, só tem carniceiro filho da puta e bandido de terno e gravata nessa porra de Congresso Nacional. Vejam só esses safados, todos almofadinhas bem vestidos, mas só ficam lá andando de um lado para o outro e chupando nosso dinheiro. Bando de corruptos. É tudo igual, entra ano e sai ano, passa eleição não muda nada. Tudo um bando de corruptos, desonestos. A câmera passou a um comentarista das notícias e Malu disse, esse ai é nosso parceiro, já fumamos vários juntos. Passa bola.
A campainha tocou. Ela me devolveu o cigarro e foi atender a porta. Pronto, agora que estamos todos aqui podemos passar o texto. Flávio, solta o preso.
Todos deram um tapa e começamos a ensaiar. Nada muito complexo. Eu era um recepcionista do hotel onde os personagens principais iriam passar a noite de lua de mel.
Minha participação se resumia a atendê-los, fazer o procedimento de entrada e encaminhá-los ao quarto. Algumas cenas se passariam até que ouviria gritos e barulhos e chamaria a segurança do lugar que enfim entraria em cena para impedir o marido de esmurrar sua mulher. O filme tinha um orçamento baixo. Demorou a ser aprovado na lei de incentivo fiscal porque não tinha pistolão. Malu contou que os produtores sabiam que existia uma máfia no Ministério que dava prioridades a certos projetos e que quem não participava da panelinha acabava se fodendo literalmente. Óbvio que a prioridade era de quem tinha nome, fama, prestígio, influência e naturalmente nosso filme não tinha muito a oferecer nesses quesitos. A estória era simples, nada demais, puro entretenimento. Violência, cenas de sexo, suspense, coisas triviais para prender o espectador. Mas com o pouco dinheiro de patrocínio teríamos que fazer mágica. Minha parte estava ensaiada, me despedi e fui embora para pegar o ônibus antes que passasse o último. No caminho de volta fiquei pensando se a polícia descobriria alguma pista do Detetive Machado. Se aquele homem no carro era ele mesmo. Meu cansaço acabou vencendo, dormi e acordei no ponto final. Bem longe da minha casa. Desci e embarquei no outro da mesma linha que faria o trajeto de volta, o motorista me deixou entrar, dei um café pra ele. Chegando, encontrei a casa com a porta trancada. Minha mãe fazia questão de me deixar do lado de fora só para saber a hora que estava voltando. Toquei a campainha e esperei. Nada. Fiquei tocando e tocando e tocando, liguei do meu celular para o telefone de casa e nada. Achei aquilo muito estranho, minha mãe sempre me aguardava. Seu sono leve como uma pluma não permitia sequer que eu caminhasse na ponta dos dedos. Apertei mais vezes à campainha e bati com força na porta até que ouvi um barulho de passos se aproximando. A porta foi aberta. Minha mãe estava estranha, parecia embriagada, mas nunca bebera na vida. Subiu sem reclamar de nada. Tranquei a porta e perguntei se estava tudo bem. Sim Anselmo, tudo bem. Agora vá dormir. Boa noite. Nunca a vira assim. Conectei meu computador, dei uma olhada nos e-mails, abri o Msn e vi Melissa. Ela já foi logo me saudando. Ficamos de papo furado até o dia amanhecer, não tinha compromisso marcado, poderíamos dormir até mais tarde.

Despertei com meu telefone tocando, número desconhecido. Atendi feliz da vida pronto para ouvir uma nova proposta, no entanto uma voz grossa e esquisita disse somente uma palavra, PERDEU e desligou em seguida. Meu coração acelerou percebi que ainda estava bem cedo e não consegui mais dormir. Deve ter sido Machado. De repente ouvi barulhos na sala, coisas sendo quebradas. Corri para trancar a porta e lembrei que minha mãe estava sozinha.
Fui até seu quarto e não a encontrei lá. Pensei na feira. Meu telefone ficara no quarto e não tinha um aparelho nos aposentos dela. Havia mais de uma pessoa. Escutava tudo sendo destruído até um deles se aproximou. Chutou a porta e entrou no quarto. Era Agnaldo com uma pistola prateada nas mãos. Atrás dele veio Machado segurando minha mãe com uma mordaça na boca. Mas você não estava morto? As risadas eram assustadoras. Se gritar morre seu filho da puta. Amarraram minha mãe dentro do banheiro. Estava apavorado diante daquilo tudo. Detetive Machado tomou a arma de Agnaldo e colocou bem no meu peito. Meu suor escorria gelado. Agnaldo pegou umas fotos de Sheila nua e mandou que tirasse a roupa. Imediatamente fiquei pelado e então ordenou que me masturbasse olhando sua noiva. Como assim? Anda filho da puta, se teu pau não subir eu te mato. Como assim? Comecei a chorar. Detetive Machado gritava faz esse pau subir caso o contrário vai pro inferno. Comecei a bater uma punheta e meu pau praticamente desaparecera. Você tem 10 segundos para levantar essa merdinha ou então uma bala atravessará seu saco. Tentei de todos os jeitos mas não acontecia nada. Detetive Machado e Agnaldo davam gargalhadas de mim. Jogaram mais fotos de Sheila nua e ouvi a contagem, dez, nove, oito, sete, seis, cinco, quatro, três, dois, um e um estampido no ouvido.
AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH.
O que foi meu filho?
Levantei a cabeça, passei as mãos pelo meu corpo procurando sangue e nada. Ta tudo bem com você mãe? Tudo bem meu amor, o que houve? Tive um pesadelo horrível. Meu coração parecia que iria explodir. Pesadelo com o que meu filho? Com o Agnaldo, Sheila, Machado, com todo mundo junto. Me conta meu filho. Nãooooo. Deixa pra lá, que horas são? Duas da tarde. Já? Já, quer que coloque seu almoço? Não mãe estou sem fome.
Devo ter ficado impressionado com o último acontecimento e acabei sonhando. Precisava me desligar um pouco desse maldito caso. Precisava relaxar um pouco. Os dias passaram.Malu me ligou marcando a data de minha gravação.
O jornal mais popular estampava a capa,"Ligação anônima dá novas pistas para o caso de Sheila Cardoso"

20 Comments:

Blogger borbô * said...

Nossa...fiquei tensa agora.
Salinas vai enlouquecer mais a cada capítulo.

Beijo amore.

8:34 PM  
Blogger the tonautas said...

Parabéns por sua incrível imaginação.

A trama está excelente.

9:43 PM  
Blogger manuh said...

Excelente.
Tens o poder de nos prender na frente de um computador como ninguém! O meu livro já está sendo formado, vou mandar encadernar quando você terminar. Isso vai ter um fim? *risos*
Já são 44 folhas impressas!Vamos lá,incentivo à leitura.
E novamente, adorei a parte do jornal nacional, tenho uma opinião parecida no meu blog.

Beijo grande querido,
ótima semana.

5:37 AM  
Blogger Lulu said...

Tadinho do Flávio Salinas!
hahaha

e eu acho que no final ele vai ser reconhecido como tanto quer, mas não como ator, e sim como o solucionador desse enigma do assassinato.

:)

beijao.

8:06 AM  
Blogger Lívia said...

Já viciei na novelinha...
me fez ate roerr as unhas agora *rs
que suspense!

Parabéns esta cada dia melhor !!!!

Beijos!!!

10:18 AM  
Blogger Cinderela Compulsiva said...

Nossa meu coração foi até a boca hauahuahhauaua muito boa esta história está.
Desculpe a ausência, estava viajando mas já botei a história em dia =D
Estou adorando.
Te adoro!
Beeeejo
;*

11:17 AM  
Blogger Palavras de um mundo incerto said...

Bah, Tico, a cada acontecimento um mistério a ser esclarecido. Está sendo uma verdadeira "liberdade em cadeia", pois onde um personagem se envolve é morte, corrupção, sacanagem, mentira, é a doença consumindo-os.

Abs e continuo aqui nesta mente!!

Marcos

2:13 PM  
Blogger Kari said...

Caramba!!!
Esse capítulo foi bem tenso!

Tomei o maior susto quando vi Agnaldo no quarto. Pensei, como assim????

Aí aí, Tico, tô gostando demais dessa estória... e das denúncias e das críticas...

Beijos,
Kari

3:52 PM  
Blogger Clube da Insônia said...

Manuh,
São 44 folhas impressas, mas não frente e verso certo?
Para que se torne um livro precisarei imaginar mais e mais, por isso agradeço a paciência de todos e os elogios a trama. É mais complicado do que pensava escrever uma estória atraente, tenho tido dificuldades para não torná-la chata.
Mas seguimos
abs

Tico

4:53 PM  
Blogger Suelen DRC said...

Adorando intensamente essa história...

Querido, obrigado por ter feito meu dia especial, amei!!
Voluntários sempre com sua energia positiva nos envolvendo!!

Beijo!!
Amo-te!!

4:56 PM  
Blogger Danielle said...

E ESSE SONHO DO SALINAS...SERÁ QUE ELE FUMOU O BASEADO DE BARRIGA VAZIA ? DEVE TER SIDO EFEITO COLATERAL..rsrs.

BANCO PATROCINANDO JORNAL PARECE ATÉ FICÇÃO...PIOR QUE NÃO É...

SE JÁ É COMPLICADO FAZER UM CONTO INTERESSANTE..IMAGINE UMA NOVELA...MAS VOCÊ ESTÁ INDO BEM !

AGORA..QUANTO ÀS CAPAS QUE ESTOU BOLANDO...tsc..tsc..SEM COMENTÁRIOS NO MOMENTO...rsrs..

BEIJOS,

DANNY

5:57 PM  
Blogger Mandy said...

Mew jurava q não era sonho de Flávio..risos
E infelizmente a parte da que você escreveu da polícia é verdade quem ja precisou chama-la sabe como é, engraçado que quando estava lendo parecia você estava relatando exatamente o que ocorreu semana passada "comigo" (indo para a facul e minha topic acabou se envolvendo no famoso 'engavetamento', para chamar a viatura tivemos q ligar para 3 numeros diferentes e mesmo assim afirmaram q não tinha viatura disponivel.Da p/ acreditar nisso?!)
Psée pior eh q ainda pedem para fazer denuncias e tudo mais...

Abraços e Beijos
Amanda

6:20 PM  
Blogger Danielle said...

E EU ACHANDO QUE O SONHO ERA DE VERDADE...rsrs..

BEIJOS,

DANNY

5:04 AM  
Blogger Daniel Barros said...

Cada dia mais incrível!!!

Eu confesso que também estava achando que era tudo real!
Onde esse Flavio irá parar????
[suspense]rs

ABração Tico!

6:56 AM  
Blogger Noli said...

Ola Tico

Fikei me perguntando, será que o Flavio tinha razão sobre as passeatas? será que são vagabundos mesmo? É dificil saber se o grito ajuda de verdade, se a revolta é o caminho mais curto para se atingir certas metas...
Sobre ligar pra policia, isso sim é verdade, e é em todo lugar viu, sobre isso prefiro nem comentar...
Agora isso sim que é pesadelo, nosso querido "estrela" anonima passou quase dessa pra melhor, senão fosse por uma bala seria de susto mesmo hihihihihihh

No mais parabens pela escrita e pela forma de entreterimento, coisa bacanas estao sendo narradas,não a historia do estrelato e sim o da politica, o dos exemplos que a sociedade mostram para os leigos e por ai vai...
Engraçado lendo essa novelinha ando muito nos meus conceitos, ideais e ate principios, pensando muito na vida, na minha vida, em ser feliz, em como ser completa, na verdade estou em crise existencial!!!

Bjos pra vc Santa Cruz...

7:34 AM  
Blogger manuh said...

Certo, não são frente e verso!
Explico-me, no início, imprimi na correria, e para ser frente e verso teria que arrumar cada folha na impressora, uma por uma, e o tempo não me permitia, assim utilizei várias folhas, mas para não desperdiçar nossas árvores, pensei em usar o verso das folhas de rascunho que meu pai insiste em desperdiçar. Vi que a coisa estava ficando grande, e seriam muitas folhas!

E realmente, lhe compreendo, para ser um livro terá que escrever muito mais! Entendo sua dificuldade para não torná-la chata, escrevo muito e sempre me deparo com esse problema.
Mas deixo uma sugestão, você poderia criar uma coletânea, reunindo todas as estórias,crônicas e poemas maravilhosos que já escreveu, incluindo a saga de Flávio Salinas. Isso, se sua infinita imaginação não alcançar um verdadeiro livro! *risos*
Caso contrário, adoraria sair desse monitor, e ter em meu acervo de livros essa coletânea maravilhosa!
O que acha da sugestão?



Grande Abraço,
Manu.

12:25 PM  
Blogger Tati* said...

Salinas precisa urgentemente de um banho de sal grosso.rsrs
Eita pesadelo das trevas esse hein...


A trama esta ótima Tico .
O meu e-book! Rss


Beijo Grannnnde!

12:30 PM  
Blogger Jaquelyne said...

rsrs..

Ticoo.. desse geitoo ..
vou morrer do coração
hauahauhaua
nossa.. cada dia melhor..!


=D


beijOs amor

3:57 PM  
Blogger Inamara said...

Meu Santo Forte....Minha Santa Cruz!!!
"Ta" vendo como vc não deve...NUNCA se sentir um ridículo??
Vc encontrou mais uma fórmula (e bastante ideal para seu público, e acredito que mais um exercício difícil como vc mesmo relatou, mas que mais uma vez vc vai vencer...) de dizer as coisas que acredita e assim...tocar mais almas, espíritos e corações...como já esta acontecendo pelos comentários que estão sendo colocados...e imagine que isso pode crescer em progressão geométrica...cada um repassando para mais um..dois...dez...and so one!!!
Parabéns pessoa especialíssima...rara e necessária!!!
Beeeiiijooosss....TODOS!!!! e saudades de doer!!!!

4:39 PM  
Blogger *¢£@üD!NhA''' said...

Meu caro!
Há tempos não permaneço ativamente por aqui; e infelizmente nã oestou à par do fluxo deste que tanto aprecio. Circunstâncias provocaram certo afastamento, mas a vontade construiu novo tempo, e por mais que não permaneço em sua memória, cá virei para mergulhar e então, prosseguir, me libertar.

;)

Saudades disto.

;*********************************

Saudosos e cordiais cumprimentos; t+!

9:12 AM  

Postar um comentário

<< Home