quinta-feira, novembro 01, 2007

Capítulo 4,6

(Atenção, isto é mais um capítulo da saga. Se entrou aqui pela primeira vez sugiro que leia os capítulos anteriores )


Por volta do meio dia acordei suando. Tive um pesadelo horrível.

No meu sonho Sheila andava pelo meio do mato com a cabeça de Agnaldo. Mas ela não enxergava por seus olhos, enxergava pelos olhos dele. A cabeça embora estivesse fora do corpo era quem guiava quem ordenava os passos. Sheila parecia um zumbi e fora caminhando até uma pequena ponte de madeira. Diante do lago Sheila pegou a cabeça de Agnaldo e a arremessou enquanto ele emitia urros assustadores para que ela não fizesse isso. Estava assistindo tudo distante, foi quando alguém colocou as mãos no meu ombro e no susto acordei.

A sensação de pesadelo é horrível. É um sonho que falhou, que não deu certo. Levantei e fui jogar um pouco de água no rosto. Tentei interpretar o acontecido para descobrir se fazia algum sentido racional, se poderia enveredar para uma lógica. A princípio bem simples. Sheila estava fazendo o que Agnaldo queria. Por esse motivo voltara a se relacionar com ele apesar de todos os problemas que envolviam o relacionamento. O caminhar pelo mato poderia significar o fato de estar perdida, de não saber exatamente por onde estava sendo levanda, mas poderia também ser influência da foto que vi. O que me confundiu no final foi Sheila ter jogado a cabeça de Agnaldo no lago, mesmo diante de seus berros. A mão que me puxa e me acorda, poderia ser a que tira a minha vida no sonho. Anotei-o para buscar outros significados. Minha mãe foi até o meu quarto com as novidades sobre o caso. Com o periódico na mão me informara que a autopsia de Sheila revelava que em suas vísceras foram encontradas substancias proibidas. Ela havia ingerido álcool e cocaína na noite em que foi morta. Mas o pior é que estava em fase de gestação. Três meses. Puta que pariu. Sheila estava grávida. Foi assassinada grávida. Provavelmente não sabia. Caralho, com meus cálculos será que Sheila poderia estar grávida de um filho meu? Mas não gozei dentro. Lembrei que certo dia conversando com um amigo meu sobre a possibilidade ele explicou que muitas vezes ao longo da relação soltamos pequenas secreções e que para uma mulher em período fértil que tenha facilidade de engravidar isso seria o suficiente. Senti um frio esquisito na barriga. Que diabos estava pensando naquele dia quando fiz esse monte de merda seguida. É foda, a cabeça do pau às vezes toma o controle e quando ela assume não adianta insistir, pois a outra não consegue funcionar racionalmente. Lembro-me que alguma coisa me dizia para não comê-la sem camisinha, mas minha excitação estava num grau tão insuportável que uma outra voz dizia: foda-se. Mete logo nessa gostosa e vai se divertir. Foi o que fiz e agora estou aqui paranóico. Peguei o jornal e li todos os detalhes sobre o desaparecimento e a suspeita de que o assassino deveria ser o Detetive Machado. O policial aleijado jurava de pés juntos que não tinha nada a ver com o assunto, mas confessou que achou ótimo quando a imprensa noticiou sua morte. Palavras dele: “Fiquei com dó da menina, mas aquele cretino não tinha escrúpulo nenhum, tentou me matar, me deixou numa cadeira de rodas. O que acham que desejaria para ele? A morte é claro. Mas daí a tomar a iniciativa e praticar o crime seria ingenuidade minha, logicamente que acabaria me tornando um suspeito. Confiava que o rapaz naturalmente iria ter seu fim dessa maneira. Ele frequentemente se envolvia em confusões. Fico feliz que não tenha sido a minha filha sua parceira no fatídico dia. Se essa justiça medíocre funcionasse no Brasil, talvez o garoto estivesse preso, cumprindo pena, mas como rico não vai para cadeia, acaba que a justiça divina precisa interceder e quando intercede para muitos é o que resta. A esta altura deve estar de mãos dadas com o capeta”. Tive que concordar com o raciocínio dele. Seria muita estupidez depois de tudo mandar matá-lo realmente. O jornal concluía a matéria com declarações do pai de Agnaldo. “Meu filho não merecia isso. Ele era um bom garoto. Sabia que por ter um temperamento explosivo acabava se metendo em confusões, mas não merecia isso. Sou um homem íntegro, sempre ofereci as melhores escolas para ele, lhe ensinei a ser honesto. Quando sua mãe morreu, fiquei completamente desnorteado e foi Agnaldo que com sua força me ajudou a superar o luto. Agora estou sozinho.” Cara de pau. Todo mundo sabe do seu envolvimento com uma série de atividades ilegais. Sheila me contou que suspeitava do sua participação com o tráfico de drogas e que embora não pudesse comprovar não foram poucas às vezes em que estava em casa com Agnaldo e seu pai recebera a visita de Deputados e outras autoridades de grande influência. Os negócios com relação aos brinquedos de parque de diversão serviriam apenas para lavar dinheiro, que provavelmente a renda dele vinha de jogo e de entorpecentes. Ela disse que houve uma festa em sua mansão certa vez e que foi lá que experimentou cocaína. Agnaldo e alguns amigos estavam cheirando numa grande mesa de vidro no meio da sala. O pai sabia de tudo. De repente um famoso político perguntou se poderia participar da farra também. Logo estavam todos alucinados e cheirando a noite toda ao lado de alguns artistas e de juízes. Segundo ela, Agnaldo confiava muito nas amizades e na influência do pai. Talvez por esse motivo se sentisse acima das leis.
Foi um amigo de seu pai que a indicou para trabalhar na produtora que fez a campanha para o Brancol. Ela nem precisou fazer os testes, estes só serviram para escolher quem seria seu parceiro. Foi quando entrei nessa estória.
Com tanta merda envolvida nesse caso seria natural que perdurasse entre os assuntos preferidos da imprensa. Os jornais continuavam explorando e investigando cada detalhe. A sociedade estava em polvorosa com os últimos acontecimentos. A Brancol vendendo como água e os filmes de Sheila com comunidades espalhadas por toda internet e milhares de fãs.
Continuei folhando o periódico e confirmando minha teoria de que os escândalos políticos devem ter algum outro objetivo, pois são sempre iguais, nunca ninguém é punido e as falcatruas continuam se repetindo como se não fosse o suficiente tanta violência, tanto sangue e tantas vítimas de balas perdidas, acidentes de carro e todas estas tragédias que adoramos acompanhar.
Tomei um banho, me vesti e fui ao dentista. Afinal de contas a vida continuava e precisava cuidar da minha imagem. Não foi à-toa que fui selecionado para estar na embalagem da pasta de dentes. Chegando lá como de costume fiquei aguardando para ser atendido. Peguei uma das milhares de revistas de fofocas para saber mais um pouco da vida das celebridades. Adoro estas revistas, sempre que as vejo, me imagino nelas. Minhas fotos, meus passeios por essas ilhas maravilhosas, meus devaneios por festas regadas a uísque de 100 anos. Atrizes famosas me rodeando. Essa vida deve ser muito boa. Uma vez que te tornas conhecido e adorado um eldorado se abre. Convites para tudo, shows de rock, de samba, de funk, de pagode, óperas, micaretas, peças de teatro, lançamento de grifes, de restaurantes, de botequim, não importa se gostas ou não o importante é estar presente e aparecer para os flashs. Tem gente que implica com essas revistas, mas isso é inveja. É porque gostariam de estar nelas e não são importantes o suficiente para estampá-las.
Eu adoro. Sei que hei de conseguir. Depois que assisti aquele filme “O segredo” então passei a ter certeza e todos os dias pela manhã acordo e penso cada coisa que desejo para que meus sonhos se realizem. Esse negócio de metafísica, acho que é isso, é poderoso. Nos estados unidos as pessoas conseguem, carros, dinheiro, mansões só com o poder do pensamento positivo. Estava eu folhando a terceira revista enquanto esperava e quem me aparece? Rogério. Com uma mulher linda e sorridente ao seu lado. Não era Carla, tadinha, será que ela acreditou que faria dele uma escada? Iludiiiiiiida.
Era uma modelo. Os dois estavam assumindo publicamente um namoro que já acontecia por debaixo dos panos há um mês. Então foi por isso que ele não quis ficar muito tempo na Chopperia comigo naquele dia. Escondeu-se lá atrás e poucos minutos depois correu para um motel. Tá certo ele, vai se expor sem necessidade?
Finalmente fui convidado a entrar. Meu dentista sorridente me recebeu com a embalagem de Brancol na mão. Deu-me os parabéns, estava orgulhoso. Perguntou se poderia colocar a embalagem num quadro para mostrar par seus clientes que aquele rapaz era seu paciente. Lógico que permiti. Pediu-me para autografar a caixa. Peguei uma caneta e escrevi meu nome. Flávio Salinas. Depois me lembrei que ainda não havia treinado um autógrafo e que isso seria uma coisa importante dentre minhas prioridades. Inventar uma marca, uma marca minha, um autógrafo. Quando lhe devolvi ele me perguntou o porquê do nome trocado e pela milionésima vez tive que explicar que aquela era minha alcunha artística. Ele sorriu. Sentei em sua cadeira e começou a examinar minha dentição. Elogiando como sempre meu cuidado. Comentou sobre o crime, teorizou a respeito dos motivos do assassinato, especulou sobre os envolvidos. Tudo o que todo mundo estava fazendo. Terminada a consulta me deu um forte aperto de mão e nos despedimos. Sai de lá feliz da vida, afinal de contas, dei meu primeiro autógrafo. Lembrei que precisava marcar meus exames de sangue. Puta que o pariu.
De volta para casa, minha mãe estava me esperando sorridente no portão.
O que foi mãe, descobriram quem é o assassino, resolveram o caso? Não meu filho, finalmente, depois de anos e anos e anos tentando, ganhei um dinheirinho no jogo do bicho. Vou trocar nossa televisão.


(...)

23 Comments:

Blogger Cláudia Vila Nova said...

Hahahahaha,a parte da ilha foi uma das melhores.
A,esses famosos!!
Eu já ia te "cobrar" mais um capítulo da saga.Tô ficando viciada nisso.rs*

Beijos pessoa linda.

4:31 AM  
Blogger Cláudia Vila Nova said...

Esqueci de comentar...
Pesadelo é pesadelo,mas esse me deu arrepios.Credo.

4:33 AM  
Blogger Alessandra said...

qual foi o pesadelo conte-me ,quero ouvir mande por e-mail ou lá na comunidade ,do Detonautas....bejo e ve se reza

4:40 AM  
Blogger Clube da Insônia said...

Viu porque preciso avisar as pessoas que isso é a continuação de uma novela. Para não criar preocupações desnecessárias.
Querida Alessandra, este pesadelo se refere a mais um capítulo da novela que estou escrevendo aqui no Blog, caso não tenha entendido, sugiro que leia os capítulos anteriores, começando pelo UM.

Beijos

Tico

5:14 AM  
Blogger Kari said...

É, né? Tem sempre alguém que começa a ler e mesmo sem entender continua...

Quanto ao capítulo... bom demais!
Acho que o filho era dele, né? E o exame de sangue? Tem que fazer logo, né?

Será que esse crime vai ter solução? Porque tipo... aqui no Brasil é meio raro que solucionem casos assim. Mas ele era rico, né? Aí muda tudo...

Beijão,
Kari

5:52 AM  
Blogger Danielle said...

EITA PESADELO FEIO !
(oras..pesadelos não são bonito senão não seriam pesadelos né ?..dãã..rsrs..)
FIQUEI IMAGINANDO...PARECENDO AQUELES FILMES DE ZUMBIS TIPO " MADRUGADA DOS MORTOS "...NOVELA CHEIA DE INFLUÊNCIAS !
:)
GOSTEI DO PRIMEIRO AUTÓGRAFO..CRIAR UMA MARCA..LEMBRO DO MEU 1o. ESTÁGIO EM QUE PEDIRAM QUE EU CRIASSE UMA RUBRICA..FIQUEI TODA BOBA..rsrs...SE EU FIQUEI TODA BOBA COM UMA SIMPLES RUBRICA IMAGINA NOSSO AMIGO COM UM AUTÓGRAFO...E TUDO COMEÇOU NUMA CAIXA DE PASTA DE DENTE...rsrs..

BEIJOS,

DANNY

6:07 AM  
Blogger Manifestante said...

Hehehehe... muito bom esse post.
Além de engraçado, em alguns pontos (como no que diz que os americanos devem ter tudo por causa "Do Segredo", sacada sensacional... ou a das revistas de fofoca), ainda é de deixar uma pulga atrás da orelha.

Abraços

7:34 AM  
Blogger manuh said...

"...depois de anos e anos e anos tentando, ganhei um dinheirinho no jogo do bicho. Vou trocar nossa televisão."

Como é incrível a mente brasileira não? Chega a ser sarcástico.

A saga está ficando cada vez mais interessante!Você consegue expressar perfeitamente o comportamento medíocre dos brasileiros! Ah e não esqueça de avisar sobre a novela, pelo jeito é devidamente necessário! *risos*

A novela está sendo formado a cada capítulo, e faz muito sucesso na minha cabeceira. Se cuida Tico, beijo.


PS: Sei que seu tempo é curto, mas só gostaria de saber se recebeu meu e-mail, se não, avise-me que reenviarei!

8:05 AM  
Blogger Letícia said...

Nossa, esse pesadelo foi mesmo 'do mal'..
De fato, é de dar arrepios.

Fico impressionada com a sua imaginação pra essas coisas, não sei se conseguiria descrever tão bem.

*Conte-nos no que deu ontem !!!!!

Lê.

8:36 AM  
Blogger Carla Aguiar said...

Viva o primeiro autógrafo do Flávio! *rs
Ótimo esse capítulo!
Tô correndo aqui...

Beijo, querido! ;)

8:55 AM  
Blogger borbô * said...

esse pesadelo vai render boas paranóias na cabeça do salinas.

adorei...já estou pensativa aqui a respeito.

:)

um beijo 'noveleirin'lindo.

4:09 PM  
Blogger Rosa de Janeiro said...

Caraca maluco que imaginação vc tem... vai fundir a cuca qualquer dia.

Estou gostando muito! Sem falsos elogios está bom mesmo!

Bjos!

5:07 PM  
Blogger Tita. said...

Ah q pesadelo do caralho, pesadelos são ruins mesmo, ainda mais quando a gente acorda sem sabe se é verdade ou não.
Grávida??
devia se dele a criança, coitada!

ótimo capítulo Tico!

Bejos!

5:24 PM  
Blogger Pauline T.n.T said...

Finalzinho foi tocante!
Dê notícias sobre ontem!!

5:45 PM  
Blogger Alessandra said...

eu sei meu amor só queria chamar atenção..rsrs.


vamos rir um pouco de uma olhada no seu fake do orkut ele voltou

está é uma converça dele com o faker Marco tulio guitarrista do JQ


TICO:
Fala Marquito, to na correria total!!! DRC ta na luta e na paz...O Jota como está, e a saúde???

Um abraço a todos do J, fica com Deus e muita PAZ!!!


Tico Sta Cruz

7:08 PM  
Blogger Reticências said...

Li do 1,5 ao mais recente capítulo numa tacada só. Muito boa a narrativa, o que é difícil de manter quando se escreve assim, já com os capítulos pré-estabelecidos. Ah, e tem explorado muito bem esse conflito ser-ou-não-ser-famoso.

E a linearidade não compromete. Acho que ela tem muito a ver com a própria característica do personagem e sua saga nesse mundinho midiático. Pra mim foi como se o próprio Anselmo (ops, Flávio!) estivesse aqui, ao pé do meu ouvido me contando suas aventuras (ou seriam desventuras?) enqto a mim coubesse recriar os espaços e personagens. E volto a insistir que a sua forma de escrever parece muito com escritores marginais dos anos 40, bem noir mesmo. Já assistiu ao “Pergunte ao Pó”? A sua história tem aquela aura. Ou, como falei do narrador, de “Dália Negra”...

Só uma sugestão: não está muito clara a temporalidade da história. A julgar que ela morreu com um feto de três meses, foi durante todo esse período que tudo aconteceu? Mas antes do crime há qto tempo não se viam? São detalhes que a princípio não se fazem importantes, mas que as vezes são a diferença.

E além de impresso seria legal disponibilizar tudo depois em pdf. E-books são muito bem vindos.

Já tem uma idéia pro título? Normalmente eles vêm à cabeça dos escritores enqto a obra ainda não está completa. Já que vai virar livro, quem sabe não me reserva os direitos pra fazer um curta? rs E aproveitando o ensejo me disponho a fazer uma resenha. Quiçá a primeira!

Gostei muito da estudante de comunicação que não quer ser famosa. (Nem tão em extinção assim... Será!?)

E passa o palpite que garantiu a televisão. Quem sabe não jogo a milhar e garanto meu feriado? rs

Mãe que é mãe pega no pé do filho sempre. Não ta na hora dela questionar a vocação do filho pra fama não? Cadê aquela mãe que fala que queria filho formado (independente dos diplomados ociosos) e que queria que ele fosse como o primo (vizinho, que seja) que tem um emprego “honesto”, paga as contas, vai a igreja, etc...?

E garotos com ou sem pretensão a fama: Camisinha, please!!!


...

7:24 PM  
Blogger Suelen DRC said...

E eu achando que era desnecessário vc comentar sobre os capítulos, rsrs!!
Aê, até que enfim, o Flávio conseguiu dar seu primeiro autógrafo, rs, mais é impressionante como a cada dia a situação dele se complica mais, ô carinha azarado!!

Beijão querido!!
;*

7:34 PM  
Blogger Nadine said...

Eita, seguindo o raciocínio do Salinas, eu seria uma invejosa... porque revista tão ruim como essas de fofoca não existe hehehee

Estive pensando, muito provavelmente no 'E agora José?' tinha alguns participantes das festas na casa do 'sogro' da Sheila, por isso (pelo que me consta) apenas um aceitou o desafio.

A novela está muito boa!
Imprimir? Com certeza.

Estou aqui, na torcida pelo resultado dos exames do Flávio... e me perguntando... estaria Sheila realmente grávida dele? Que situação...

Bem, até o próximo capítulo.

5:05 AM  
Blogger Ana Paula said...

Olá amore.
Pitaque:
Quem sabe em um dos poemas do detetive Machado as autoridades não encontrem uma prova de que ele pode ser realmente o assassino do casal?

Ta muito boa a novela, continui.

Beijos.
Ana Paula "vivo pelo amor"

7:58 AM  
Blogger DÉIA said...

OI LINDINHO!!!!!

POXA A MÃE DO ANSELMO, MELHOR, FLÁVIO É QUASE A MINHA MÃE, UMA FIGURA!
TICO TO SUPER TRISTE POR NÃO PODER TE CONHECER, O FLÁVIO SE SENTE CHATEADO POR NÃO TER FÃNS E EU POR NÃO CONHECER MEU GATINHO PREFERIDO!
QUE TRSTE! QUERIA TANTO TER UMA FOTO COM VOÇÊ, UM ALTÓGRAFO! POXA ISSO É UMA INJUSTIÇA!
MUITOS BEIJOS E SORTE PARA VOÇÊ!
QUERO NOTICIAS SOBRE O DESAFIO OK.
AINDA BEM QUE VC TEM ESTE BLOG!
BEIJINHOS, BYE!

10:23 AM  
Blogger *Carol Carolina* said...

Putz, isso aqui ta bom demais!!!
tive que ler um capítulo antes, para nao me perder.

Caramba! pesadelo sinistrooooo!!!

vamos aos comentários:

- (...)Segundo ela, Agnaldo confiava muito nas amizades e na influência do pai. Talvez por esse motivo se sentisse acima das leis(...)
**Nao sei pq, mas acho que já vi isso?????? Brasilia? minha vida toda? escapei por sorte e cabeça?
Mabe.....

(...)Depois que assisti aquele filme “O segredo”(...)
**Sabe, ultimamente eu passei por uam situação pessoal mto ruim, e nao aguentava mais ouvir as pessoas mandando eu ver o segredo, como se o segredo pra sobreviver nessa vida, fosse o segredo!*rs.
Como é fácil vender uma idéia de que tudo depende de vc, que aliás nao é , nem nunca foi novidade pra mim. Dificil, é quando vc nao consegue reagir. ai, vms tomar lexotan e fluoxetina e seguir em frente!

to adorando!
continua, continua, vai que vai, vai, vai, vaiiiiii!!! *risos***

bjooooooo
ps: me lembro qdo meu pai comprava telesena, e sonhava em comprar uma tv maior, ou carro, ou casa na praia!hahahaha

11:09 AM  
Blogger julistiles said...

hummmm
acabo de ler
aff
ta ficando cada vez mais melhor
so novata por aqui
desde ja amando tudo
o que vc escreve ....
alias
acho que o filho era realmente dele
tadinho

1000 bjs
amuUuUuU

7:28 PM  
Blogger Jaquelyne said...

rsrsr...

ii ela tava gravida dele?

aiii.. to muuuuuuito cuirosaaa rsrs




Ticoo sinceramenteee

gostoo muito de VcC

2:30 PM  

Postar um comentário

<< Home