segunda-feira, março 10, 2008

Hipocrisia Já!!!!!!!

Continua a polêmica entorno do filme Tropa de Elite e seu diretor José Padilha que declarou na Revista PLAYBOY que já fumou MACONHA várias vezes. Pois bem, seu filme, muito bom por sinal, fez com que o PRECONCEITO e a Ignorância de parte do povo brasileiro aflorasse com relação ao debate sério que deveríamos promover sobre a questão das drogas, assunto que insisto em debater e colocar em pauta aqui no clube. Para mim é algo URGENTEMENTE NECESSÁRIO.
Então recebi um convite para ser articulista do Jornal "O Dia" um dos maiores jornais do Rio de janeiro e aceitei, acontece que o espaço obviamente não comporta a quantidade de CHUMBO que às vezes mando em meus artigos aqui no blog e dessa forma estou colocando o texto na íntegra.

Exponham suas opiniões a respeito.


A polêmica continua o paradigma é o mesmo, a ONU junto com outros países puxados pelos Estados Unidos, insiste em tratar a questão da droga como problema de ordem militar. No Brasil crianças, jovens, mulheres, senhoras, gente de todos os tipos, classes sociais, religiões e ideologias convivem com a violência, com a negligencia do Estado, com uma política celebrada por políticos e autoridades que legislam em causa e própria para congestionar ainda mais o quadro, temos uma justiça lenta, falha que julga o cidadão e não seu ato e que ainda por cima conta com respeitáveis senhores de diversos escalões colaborando com a corrupção e com o crime organizado como observamos em noticias recentes de magistrados que foram afastados de seus cargos. Como se não bastasse, nossos policiais militares ganham um salário patético para enfrentar traficantes com poder de fogo mil vezes superior que ironicamente não só recebem muito mais dinheiro por semana para tomar conta de seus postos como notoriamente fazem por suas comunidades o papel que o Governo deixou de fazer desde que o Brasil é o Brasil. A paisagem vai ganhando outras tonalidades quando miramos os olhares para o Rio de janeiro, por exemplo, que há muito vem ganhando as manchetes dos jornais com crises institucionais, crimes bárbaros e outras atrocidades que são acompanhadas por uma população apática que adora julgar, culpar e apontar seus dedos para o lado cinicamente enquanto participa, fomenta e colabora com a aquarela de sangue e ignorância que estamos pintando.
O Fenômeno Tropa de Elite que arrecadou bastante dinheiro tanto para seus produtores quanto para vendedores ambulantes já dá uma pista do quanto somos contraditórios. Estimativas mostram que o filme foi assistido por mais de 11 milhões de pessoas, recorde absoluto, todavia milhares compraram ou tiveram acesso ao thriller por meios ilegais, ou pirataria não crime? Muito bem, alguns vão comentar usando um programa pirata em seu computador que não dá para comparar pirataria com Tráfico de Drogas, mas as máfias que coordenam e faturam com estes “usuários” de produtos falsificados também não estão ligadas à violência e a ilegalidade quiçá com tentáculos em outras modalidades mafiosas?

Voltando ao Filme, o diretor aclamado com um Urso de Ouro vem sendo bombardeado por todos os lados por intelectuais, revistas especializadas, curiosos, estudantes revoltados com a abordagem superficial a qual foram submetidos, assim como artistas, usuários de maconha que fatalmente receberam a responsabilidade quase completa pelo caos, a desordem e a violência na cidade se considerarmos que o discurso mais usado atualmente pela sociedade e talvez o principal pilar do roteiro por si só seja o bordão “usuário financia a violência”. Faz sentido. Mas esse mesmo diretor afirma que já usou maconha várias vezes e se ele não tem uma plantação em casa o que configurar-se-ia como crime também, ou fumou de amigos que compraram, portanto compactuando com o tráfico indiretamente ou cinicamente já financiou de outras formas mas não pode assumir para não se colocar de igual para igual com o personagem de seu filme que tem o rosto esfregado num corpo ensaguentado enquanto um policial herói neurótico berra em seus ouvidos que foi ele quem matou o adolescente. Ainda colorindo essa nova tela pergunto: quantas pessoas da equipe que participou da filmagem, edição incluindo os atores, atrizes e figurantes poderiam de consciência limpa dizer que fizeram o filme, mas NUNCA financiaram a violência fumando um baseadinho escondido no fim de semana por recreação?
Se fossemos excluir e discriminar todos os usuários dessa produção cinematográfica com quantos profissionais poderíamos contar após tal peneira? Sendo mais claro, se só pudessem participar do filme pessoas com atestados toxicológicos que mostrassem que não fazem uso de droga nenhuma, teríamos mão de obra o suficiente para tamanho sucesso?
O mesmo pode ser questionado em qualquer círculo profissional, pois se os traficantes ganham tanto dinheiro e tem tanto poder é porque gente de todos os lados está financiando estes homens armados.

Tenho que o absurdo seja virar as costas para estes lucros e entregá-los de mão beijada ao tráfico. Por uma questão política e econômica que vem de encontro com os interesses daqueles que vendem armas, proteção, segurança particular, assim como toda a indústria que se alimenta dessa hipocrisia, abrimos mão do controle dessas substâncias ilegais, ignoramos o montante de dinheiro que poderíamos investir na conscientização, nos setores básicos, na educação, nos próprios policiais, pagando o Estado seus salários e não os bandidos como vem sendo feito cotidianamente com os “arregos” que patrocinam diversas famílias de soldados corruptos. A política de combate às drogas através dessa guerra que estamos vivendo é muito importante que seja mantida, pois as zonas de confronto estão em geral em áreas pobres da cidade, embora o usuário muitas vezes esteja numa cobertura no Leblon. É a criança e seu pai que moram na comunidade carente que precisarão se jogar no chão quando a força de repressão do estado estiver invadindo mais uma vez uma favela para combater o mal. Vamos continuar enxugando gelo, matando inocentes e permitindo que a ignorância se estabeleça enquanto não encararmos que o problema é muito maior do que só jogar a culpa em quem compra ou quem vende. Tem muita gente grande envolvida nisso, sabemos que os verdadeiros chefes estão desfilando por ai em carros blindados, morando em mansões, desfrutando de prestígio e autoridade por hora e pagando de bom moço na TV enquanto estimula o confronto armado consciente da ineficácia pois sabe que este comércio que nunca deixará de existir.

Num panorama mundial de interesses ainda maiores fica tão mais evidente que economicamente estas substâncias permaneçam proibidas, pois seus principais produtores são países pobres e subdesenvolvidos que continuarão atolados em problemas de ordem política e social pedindo ajuda, armas, munições e logística para suas guerras internas enquanto os TRILHÕES de dólares ilegais vão fazendo a festa em instituições financeiras por todo planeta, incluindo paraísos fiscais e diversas atividades lucrativas que movimentam a economia global com lavagem de dinheiro sujo.

É triste ver como nós, população, sociedade, trabalhadores, estudantes, artistas, cineastas, policiais, gente de todos os tipos perdemos tanto tempo discutindo essa questão com os mesmos argumentos de gerações passadas que fracassaram na prevenção cenário que vivemos nos dias de hoje. Como uma bola de vôlei a culpa é jogada de um lado para o outro, passando de mão em mão, da direita para a esquerda e sem uma solução efetiva e pragmática que possa diminuir o problema, pois me arrisco a dizer que jamais teremos uma solução definitiva.

Continuemos todos ignorando a medicina, a ciência, deixando de ouvi-los para dar voz a uma parcela de políticos e autoridades que perderiam a função se investíssemos mais numa nova consciência e abordagem para tais temas, tanto intelectualmente quando funcionalmente. E sigamos pela trilha de pão que nos levará a mais conflitos e mortes, pois se alguém estivesse de fato preocupado com nossa integridade e saúde, será que até o sal não seria proibido ou seu excesso não causa transtornos a saúde?

Tico Sta Cruz

15 Comments:

Blogger ** Renata Ferri ** said...

Difícil.
Assunto que muitos tem opiniões diferentes,mas que deve ser debatido sim.
Muitas coisas estão envolvidas, questões políticas, econômicas, sociais e religiosas!
Minha opinão concreta sobre essa questão eu ainda não sei, muitas coisas ao mesmo tempo na minha cabeça.
rsrs
Que bom que aceitou o convite, questões importantes serão debatidas!!!
Bêjo0s,
Rê!
Te amo MEU SANTO FORTE!

4:00 PM  
Blogger Diego Mello said...

Existem pessoas que não olham pro seu própio umbigo,que muitas delas que criticam pessoas que já usaram ou usam drogas,esquecem que talvez,elas ou alguém próximo delas,usam ou já usaram!E as outras formas de apoio ao tráfico? Como como por exemplo,em comunidades com a minha,traficantes cobram "taxas de segurança" aos comerciantes que vendem,seja gáz,ou até uma bala!O que eles me dizem sobre isso?Vamos deixar de comprar comida?Vamos deixar de viver?É mais fácil criticar um diretor que conseguiu vários prêmios,do que ir atrás dos verdadeiros "ladrões de Brasília".


Diego Mello

5:07 PM  
Blogger radik said...

Obrigado Tico de aceitar este convite e dar a cara a tapa espondo o seu ponto de vista, sendo você uma personalidade pública o que facilita qualquer apedrejamento, e vendo que você não se importaria nem um pouco com isso, desde que ouvido pelos apedrejadores.

Eu sempre concordei esta história também. É sempre fácil, "você financia o tráfico" e pronto, o governo tá fazendo a sua parte e o mané é eu se compro um cigarro de maconha no fim de semana. "Bom, eu parei de fumar, pelo menos não vou compactuar com esta violência. To fazendo meu papel de cidadão responsável", "Drogas, nem morto" e o resto continua se explodindo e o cara da frase se acha o politicamente correto com seu discursinho engravatado.

Precisamos de medidas.
Intelectuos com propostas.
Sem hipocrisia.
Verdades esclarecedoras.
Assunto sério.

Acho que o debate é apenas o começo para que surja novos conceitos sobre este assunto.
Mas ele é fundamental.

5:57 PM  
Blogger Sil said...

Nos últimos dias estive pensando o quanto era preconceituosa, antes de te conhecer, e nem me dava conta. Aprendi muito contigo, muito além do que imagina e mais até do que eu imaginava...
Acredito que somos dois radicais, com visões distintas.
Não aceitamos a hipocrisia daqueles que enchem a boca pra dizer que não usam drogas, pois também SEI que álcool e cigarro são drogas como a maconha e demais, só que a minha visão é a de quem sempre viu tudo de longe.
Procuro um maior embasamento pra falar de drogas... Pela importância do assunto e meu total desconhecimento, nunca tive um contato real.
Tinha muito orgulho em dizer que não utilizava droga alguma... Além de remédios, claro!
Via aos usuários com uma distancia absurda...
Ficava até com medo se soubesse que alguém era usuário e, ainda mais, se desconfiasse deste estar sob efeito da droga!
Quero estudar sobre o assunto e entender o outro lado. Ainda que não queira experimentar nada, quero saber como pensam os que tiveram essas experiências.

A única coisa que posso dizer hoje, é que pra mim a pior droga é o cigarro!!!
Todas as drogas causam algum tipo de dano à saúde do usuário, mas o cigarro causa também aos que são obrigados a aturar os fumantes (sem educação) por perto! Prefiro centenas de “maconheiros” a minha volta, a ter um único fumante por perto!!!
Além disso, fumantes jogam guimbas nas ruas e eu odeio gente PORCA , SEM EDUCAÇÃO!!!!!!
A maconha, por ser natural, não me incomoda tanto...
O álcool passa a me incomodar quando o usuário coloca em risco a vida dos demais. Dirigindo ou arrumando brigas, por exemplo.
Conheço usuários que são contra a liberação das drogas e, logo eu, creio que essa seria a única solução para o fim, ou redução, do tráfico!

Se tiver mais matérias sobre o assunto e quiser me passar, ficarei satisfeita em me aprofundar e ajudar nessa causa!

Por enquanto, tenho pouco a dizer...
Em breve, poderei expressar uma opinião fundamentada sobre drogas!

Beijos,
Estou muito orgulhosa de você!

6:05 PM  
Blogger Inamara said...

Meu amado Tico (hj sem brincadeiras)

Não posso comentar sobre esse assunto...seria totalmente emocional e não gosto de discorrer neste estado...tenho que ser racional quando discuto qualquer assunto!!
Só sei que muitos segmentos desta sociedade devem se abrir para esta discussão...intelectuais, educadores, cientistas, enfim...cada representante da sociedade...porque TODA desgraça que ficamos sabendo neste mundo...ali esta a droga, o tráfico...direta e indiretamente!!!
Quero parabenizar o jornal O DIA por ter sido mais esperto que os outros....grande aquisição...grande presente aos seus leitores a quem invejarei...rsrsrs (espero encontar a versão on line dele...ainda não conheço!!!)
Quero agradecer a você por ter aceito o convite...sua lucidez será um presente impresso nessas páginas....será motivo para grandes debates e reflexões saudáveis...e para mais pessoas descobrirem este que é o maior dentre tantos talentos que vc tem ....ESCREVER....verdadeiro, lúcido, acri-doce...tuuudooo de booommm!!!
Sua coragem de aceitar desafios (mais um!!!)...se expor para um bem coletivo...e obter em você mesmo a resposta de se tornar a cada dia melhor.... me emociona e impulsiona...me faz ter tb a cada dia mais COR AGEM!!!!

TE AMO PELO BEM QUERER e sou mais feliz por ter te encontrado

Beeeiiijooosss
Ina

9:11 PM  
Blogger Le said...

A Hipocrisia corre solta...
Ainda não assisti ao filme, me nego a ver filmes piratas (me chamam de radical, e eu digo - apenas TENTO ser coerente)mas já sei o filme quase de cor, lendo críticas, absurdos, elogios e falas em todo lugar.
Também como outras pessoas que postaram aqui não tenho conhecimento real sobre o assunto, mas após os encontros com os voluntários consegui aceitar um debate e ver que realmente estamos perdendo muito com a situação atual.

E sobre a quantidade de CHUMBO, é só transferir o "excesso" para cá.

3:39 AM  
Blogger Auíri Au said...

Se a maconha em questão, traz problemas de saúde
então deveria ser tratada por médicos e não por policiais,
E como você ja disse várias vezes aqui, morre mais gente
que não faz o uso de drogras que usuários nessa guerra contra
o tráfico, que na minha opinião é de ordem política e financeira.
Por que tanta hiprocrisia para se tratar desse assunto??
Com o álcool e o tabaco, também foi assim??
A partir do momento que se faça o uso de substâncias ilegais, com
consciência e respeito, sou totalmente a favor, mais para isso precisamos de uma política de esclarecimentos, afim de romper alguns "mitos" da nossa sociedade.

Obrigado


boa sorte

6:40 AM  
Blogger Reticências said...

Por mais que me informe, discuta, questione, toda vez que o assunto é mencionado, sinto que estou tocando o mesmo disco. E o pior, para a mesma platéia. Ainda assim, continuo enfática e a favor da sua idéia. Esse assunto tem que ser debatido, rebatido, insistido.

Em Tropa de Elite, a luz do filme é dada por um policial que dispara seu discurso em meio a uma crise de valores, a uma vida que de deteriora na mesma velocidade que os papelotes e trouxinhas descem do morro nos bolsos dos meninos da classe média. Talvez, se o assunto fosse mais debatido antes do furor que ele causou, houvesse menos pessoas usando o argumento do Capitão Nascimento.

Particularmente, acredito que o usuário não pode ser tratado nas mesmas condições do traficante. São esferas totalmente diferentes.

Se alguém utiliza drogas com freqüência, alterando sua personalidade e seu desempenho, ele é um dependente químico. Assim como alguém que bebe demais. E os alcoólatras, exceto quando cometem delitos (ainda com algumas ressalvas) não são tratados como responsáveis pela violência urbana, nem como co-auotores dos conglomerados etílico-cervejeiros.

Generalismo tratar os dois como iguais? Ou será que uma das alternativas seria descriminar ou legalizar, e ao invés de mantê-lo na clandestinidade, poder fazer um controle e monitoramento do problema?

Hipocrisia por hipocrisia, Padilha foi franco. Assumiu seus baseados. Seria pior ele fingir-se de morto, olhando por cima todos os questionamentos que ele mesmo levantou.

Não sei se vocês sabem, mas desde 2006, quando foi assinada a Lei nº 11.343, o consumidor de drogas está em outra categoria em relação ao restante da cadeia do tráfico. Atualmente ninguém vai preso por cultivar, portar ou utilizar drogas em quantidades compatíveis com o uso individual (quantidade essa que varia de acordo com a interpretação de cada juiz).

De acordo com o Centro Brasileiro de Informações sobre drogas e psicotrópicos da Unifesp, 16 milhões de pessoas já utilizou maconha pelo menos uma vez na vida. Contingente suficiente para debate, não?

Fernando Gabeira deve concorrer à prefeitura do Rio. Espero que seus adversários, ao invés de mergulharem em acusações pessoais, tirem das eleições uma possibilidade de realmente fazerem algo pela cidade. Quem sabe não seria essa a centelha que se espalharia país afora?

Ainda preciso por a vitrola p tocar mais uma vez esse disco. Quem sabe assim eu consiga tomar partido?

(Ah, sim. Bem vindo ao mundo dos periódicos. E das edições por causa do espaço. Então por favor, coloque os textos na íntegra aqui, pra gente ir acompanhando.)

Luz

8:04 AM  
Blogger Cristal said...

Oi Tico,

Hoje li o teu artigo no jornal e o texto completo que tu escrevesse aqui. É uma pena que o espaço oferecido lá, é pequeno, porque assuntos como esse, sobre uma possível legalização da maconha, tem muitos aspectos a serem comentados. Talvez por isso muitas pessoas que comentaram lá, só enxergaram a tua posição como defensor dessa legalização, passando despercebido que quando tu dissesse que esse assunto não pode ser tratado somente como uma questão militar, entendia-se também, que tu és a favor da abertura para uma discussão ou um estudo com outras áreas, como a medicina e a ciência, que aparece no teu texto integral.
Mais eu percebi vários pontos positivos nessa tua 1ª participação como articulista nesse Jornal.
Primeiro por causa do número de comentários que teve o teu artigo com relação ao outro do mesmo dia. No teu teve 84 e o outro 11. Olhei nos dias anteriores e a média é bem baixa.
Então, o fato de muitos terem discordado do que tu escreveu, não anula o sucesso, porque esse assunto da legalização é complicado justamente porque falta para a grande maioria da população, esse interesse em conhecer o que pensa as outras áreas envolvidas nesse processo, então, se baseiam somente naquele pouco que sabem (me incluo nessa lista que sabe pouco) com o que aconteceria no Brasil, se a maconha fosse legalizada.
Quando tu escrevesse esse artigo, sabia, com certeza, que a reação do público seria essa.
E aí é que eu te digo o quanto foi positivo o resultado desse teu primeiro artigo, porque o fato de ter tido tantos comentários, significa que esse assunto interessa a muita gente, e quanto mais for discutido, mais ampla ficará a visão de todos que acompanharem.
Então, eu pensei: se tu tivesse acesso a pessoas dessas áreas (saúde, educação, economia, etc), talvez pudesses, a cada novo artigo que resolveres tratar desse assunto, trazer informações, opiniões, dessas pessoas, mostrando os prós e os contras que eles vêem numa possível legalização.
Como comentei outro dia, o que precisaríamos era que algum político "comprasse" essa idéia de realizar esse estudo. Veja bem, digo estudo e não oficialização.
Depois que todas as partes envolvidas direta ou indiretamente, discutirem bastante sobre esse assunto, teremos condições de chegar a uma posição mais clara, se seria positivo para a MAIORIA dos brasileiros, que a legalização acontecesse.
Se tudo for exposto de maneira clara à população brasileira, será muito mais fácil uma possível aceitação e até uma contribuição para fazerem as coisas acontecerem e funcionarem.

Sobre essa oportunidade que te deram em escrever para esse Jornal, achei super positivo.
Mas tu já deve ter percebido que não é nada fácil. É uma variação muito grande de leitores.
Mas podes ter certeza que isso é uma ótima "escola". Tu vais aprender em alguns meses, o que, talvez, algumas pessoas, não vão conseguir aprender em 5 anos na sala de aula de alguma Faculdade.

Abraços... e Boa Sorte!!!

8:18 AM  
Blogger maria said...

qnt tempo não passo por aqui! vou me atualizar...

aqui. vaii ver a peça não, coisa?
só tem mais duas semanas.

bj bj! paz!

www.maria.perez.nafoto.net

12:36 PM  
Blogger Altieres said...

Super legal essa oportunidade de você escrever em um jornal... PARABÉNS!!!!!

Em relação a violência acho que nós como cidadãos devemos começar a nos preucupar com esse cenário em que vivemos. Não sei se já repararam mas se perguntarmos para as pessoas o que acham da CPMF todas elas vão criticar, mas se perguntarmos o que É CPMF a grande parte delas não saberam responder.
O que eu quero dizer é que as pessoas vão atras da maioria, "porque se a maioria não gosta eu também não gosto", é mais ou menos isso.
Pergunta em quem elas votaram para senador na última eleição, elas não sabem, agora pergunta quem foi o ultimo eliminado do big bosta Brasil elas saberam te responder e ainda teram uma opinião formada sobre a eliminação do participante. Eu acho que as pessoas fazem pouco caso do Brasil, e é esse mesmo que leva a tanta violência. As pessoas não tem interesse em saber o que esta acontecendo, mesmo quando elas tem inteligência para compriender toda essa situação. O problema da violência pra mim só acaba quando as pessoas começarem a se interessarem pelo o que esta acontecendo com o dinheiro que damos ao governo, quando começarem a se perguntar porque existe tanta gente no senado atoa, porque que só para o pè - rapado a justiça funciona, quando pararmos de comprar coisas piratas, quando acabarmos com o preconceito, quando pararmos de dar subornos a policiais. Ai sim, poderemos pensar em mudar esse inferno.Agora enquanto as pessoa acharem normal comer merda nós iremos continuar comendo merda.
O governo muda se quisermos mudá-lo, o governo cai se quisermos derrubá-lo, mas nada acontece se ficarmos parados.

É isso que acho. Acho que o governo só muda se a sociedade mudar.
Mas como fazemos isso ? promovendo debates como esses, em todos os lugares.

FORÇA!!!

12:37 PM  
Blogger Junior São Gonçalo said...

Cara, esse é um tema altamente discutido e poucamente praticado.

Para não ser muito prolixo, me atenho a dizer que o tráfico de drogas no Rio e em todo o Brasil, é uma das MAIORES VERTENTES de todos os problemas relacionados à VIOLÊNCIA(lógico, sem esquecer a educação, dignidade humana e tantos outros relacionados).
Maior do que esse problema, só a hipocrisia que o cerca.
Tornou-se natural e até mesmo óbvio todos os argumentos utilizados por políticos e autoridades responsáveis por esse "controle", seja no tocante legislação, seja no tocante repressão.
A apatia e medo de nossa população em aceitar uma nova realidade, onde não podemos nos basearmos numa legislação arcáica, por exemplo, é também um GRANDE problema.
Recentemente(sem fugir do assunto) assisti um debate sobre as pesquisas em células-troncos embrionárias em nosso país. É ridículo e totalmente inaceitável o tratamento por parte de nossas autoridades e da constituição, que IGNORAM O QUE A CIÊNCIA TEM À DIZER e evocam a velha máxima de que "a vida é o maior bem a ser protegido".
Esse é só um exemplo.
Da mesma forma, a questão do Aborto e tantas outras que só me levam a conclusão de que, como você mesmo diz, ESTAMOS ATOLADOS ATÉ O PESCOÇO DE HIPOCRISIA.

O Brasil não pensa com inteligência. Falta vontade política em coisas sérias e sobra vontade em outras para nos tornar cada vez mais a pátria de chuteiras e do carnaval.

Se pudesse ser feito um paralelo, eu diria que o Brasil é um País belo, tal como um adolescente naquela fase em que quer tudo, imagina um monte de coisas, sonha em abraçar o mundo, mas não tem maturidade para alcançar os objetivos. E é facilmente "manipulado" por aqueles mais experientes que querem e sabem aproveitar tudo o que melhor, esse "adolescente" pode dar...

Sinceramente já assumi a minha postura e vou lutar. Pois é um algo que aprendi e faço de coração.

Mas sei que, como já dizia Raul, "nunca se vence uma guerra lutando sozinho".

Boa sorte nesse novo desafio e conte conosco!

Luz meu amigo!

Junior

1:07 PM  
Blogger *¨*¨*¨* Eu acredito em fadas said...

Ah se existissem bons colunistas assim na Gazeta do Povo, para acordar meia dúzia de pançudos, que ficam com as mãos no bolso, esperando começar a sessão da tarde, nas ruas, construindo o presente.


Vejo o seu posicionamento como algo instigante, estimulante a leitura, a aproximação, a discussão com o assunto. Mas, vamos convir você não mostrou posição alguma. É ambíguo. Mesmo que não seja a intenção, foi ambíguo. Vou me explicar (apesar de não gostar disso, não quero que me compreenda mal e crie um tópico ou resposta, em que centenas de fãs vão me apedrejar!).

Você defende ou repudia o consumo de drogas ilícitas (e não-ilícitas?). Não consigo saber. (a questão não é essa, mas se a intenção do texto for opinião, você têm várias. E várias, se tratando de jornalismo, é nada).
O ponto de partida é o filme (ou a relação, como queira) e seu diretor ter sido usuário de drogas, ter financiado o tráfico. Ter sido um dos "playboys" da "própria" obra. Quando você fala dos hipócritas, facilmente ele se enquadra na lista. Então seus argumentos se voltam contra seus fatos.
Poderia dizer que realmente quis generalizar, dizer: o povo brasileiro é hipócrita. E então, você se enquadraria, certo? Mas não é assim! Afinal, você não está calado diante do pesadelo, nem se esconde com suas opiniões. Não! Você da à cara a bater, doa a quem doer. Certo?

No fim das contas, o que eu quero te mostrar é que o artigo tem um cunho MUITO forte, (e maravilhoso. Sim, eu gostei muito!), mas você precisa tomar cuidado com o biscoito todeschines:
"vende muito porque é fresquinho, ou é fresquinho porque vende muito?"

Eu não sei dizer, mas realmente vende e é fresquinho. E eu adorei saborear desse artigo!
Só pra você pensar um pouquinho ta?! Não leve a mal, opiniões são válidas não é? ^^
Ok, a minha opinião como futura professora é essa. A minha como estudante indignada vem depois.

2:22 PM  
Blogger *¨*¨*¨* Eu acredito em fadas said...

Somos um bando de hipócritas mesmo.
Mas a hipocrisia é o fenômeno da globalização meu caro Tico!
Onde já se viu os homens de golas, crescerem tanto, serem tão fortes, sem hipocrisia? Ora, isso é um crime, para eles! Generalização? Sim! Sempre... Não é assim que se fazem os sensos? Não é assim que publicam as pesquisas? O que há de mais puro do que a ciência dos números, da exatidão? Pois eu mesma respondo: a ciência das ruas. É nelas que a hipocrisia se inicia, e por ironia (amiga direta da personagem central, já citada) do destino, é nelas que acaba.
Ruas, ruas, ruas. 1,2,3...
Parando pra pensar, a solução está no problema, certo? Claro que não. Encontrados os vírus, criadas as vacinamos (com veneno!). Se é na faculdade que os jovens têm maior contato com as drogas (fato que me deixa em duvida, confesso), é nas escolas que devemos plantar a semente do amor a vida.
Mas dessas ladainhas todos sabemos, porque então não pomos a mão na massa? Boa pergunta! Falta atitude, e muita.
O Brasil é um país documentado. Tem que mostrar o rosto lavado e o pescoço perfumado, por isso que tudo ferr*! Se assumíssemos que nosso país é diferente, que ele não tem lenço nem documento, no sol de quase dezembro iríamos! E embalados, acredite! Não existem pobres no Brasil, nem existem ricos. Existem hipócritas e hipócritas. Pessoas que roubam do povo e povo que vota em ladrão. Começa por aí. Na verdade não começa aí não, começa bem mais longe. A discussão sobre nosso país tem tantas divisões quanto uma célula. As respostas é que são poucas, dependem da janela da alma de cada um.

2:51 PM  
Blogger Carla Aguiar said...

Parabéns por mais um espaço conquistado!
Espero que consiga ajudar a abrir mais alguns olhos por aí...
Quanto ao assunto, reitero a sua opinião: é preciso discutir muito, de forma clara e sem preconceito e hipocrisia.
Ao invés de ficarmos (sociedade) uns empurrando a culpa pros outros, temos que buscar juntos as soluções, ainda que não consigamos uma definitiva.


Vídeos de Cantagalo:

O Amanhã
http://br.youtube.com/watch?v=6ja5EE4HODo

O Retorno de Saturno
http://br.youtube.com/watch?v=fX-WM55FFl4

Verdades do Mundo
http://br.youtube.com/watch?v=8DJYH5sUPLI


Beijos, querido.

4:48 AM  

Postar um comentário

<< Home